Since 2015 | Todos os textos e imagens foram produzidos por Vanusa Vicelli e/ou Jucienne S R Camilotti, exceto quando sinalizado. | Todos os direito reservados. Proibido divulgação sem autorização.

Quem lembra do comercial "Meu primeiro sutiã"?

29.01.2017

Quero começar  pedindo

desculpas por não ter feito o post da semana passada. Pura falta de inspiração...

 

Mas, hoje estou aqui pra contar sobre a resistência que enfrentei, depois da cirurgia, em comprar um sutiã novo.

 

Como me livrei dos antigos antes mesmo da cirurgia, deixando apenas dois porque achei que ainda poderiam servir, e tinha os (horrorosos) pós-cirurgícos, fui levando... 

Engraçado que saí algumas vezes decidida a comprar, mas sempre voltava pra casa sem, ao menos, entrar numa loja.

 

Bem, na sem passada, confessei a uma moça - que mal conheço - a dificuldade que vinha enfrentando. E, recebi dela um incentivo inesperado! Algo como, "mas tá esperando o quê?" Imediatamente fui às compras. kkkk

 

No vestiário, durante a prova,  lembrei de um lindo comercial dos anos oitenta ( deixarei o link pra vocês no fim do post).

Claro, não teve o sabor de primeiro, como no comercial mas, sim! foi uma descoberta. Percebi que até gostava do novo visual e a medida que os dias foram passando, passei a gostar mais e mais.

É importante que saibam que não reclamo de como fiquei, sei que o resultado da cirurgia foi  muito bom em todos os aspectos, inclusive na aparência, e sou grata por não ter precisado retirar a mama completamente. Mas, ainda sentia um "estranhamento" ao me olhar no espelho.

 

Porque contar algo tão íntimo aqui? pra todo mundo ler?

Porque isso mexeu positivamente comigo durante a semana. Penso que, como aconteceu comigo, talvez outras mulheres estejam com dificuldade em aceitar uma ou outra mudança no corpo.

Algumas emagrecem ou engordam além da conta ( eu sempre lutei com a balança que tende a apontar pra cima, urgh!!). Mas a roupa certa e a atitude autoconfiante pode ajudar muito. Assim como, um batom nos lábios, um brinco adequado ou um lenço na cabeça. 

 

Porém o que fazer no caso de mastectomia total sem reconstrução? Bem, existem sutiãs com "prótese móvel", à venda em lojas de lingeries e produtos hospitalares. Não é necessário sentir-se mal ao usar uma roupa mais justa, por exemplo, é preciso buscar solução.

Soube que na AAMA, Associação das Amigas da Mama, é oferecido ( e de graça) um tipo de enchimento. Há também, quem mande confeccionar, usando sementes apropriadas que se moldam ao corpo e ajudam na simetrização.

( Olha, se alguém tiver interesse nisso, posso procurar o molde).

 

Claro que, nada disso resolve se não existir uma atitude mental nessa história toda. É preciso querer se aceitar, e pronto!

Está sendo assim comigo. O fato de aceitar a mudança e ir em busca de um recurso ( ou de sutiãs novos) me trouxe alegria. Olhar no espelho me fez bem! Já até acho que o tamanho dos meus peitos estão em harmonia com o resto de mim.

Costumamos ser exigentes demais diante de coisas pequenas como uma espinha no nariz,  a raiz branca dos cabelos começando a aparecer, um novo vinco em nosso rosto... 

Imagine quando isso se refere a uma parte do corpo que é sinônimo da nossa feminilidade.

Acho que, em especial,  nós mulheres precisamos relaxar mais. No entanto, isso não significa perdermos a vaidade. Significa compreender que é possível ficarmos mais bonitas a partir do que somos, do que temos. Bastam alguns "ajustes", ou seja, maquiagem,  decote certo, adereços que nos caem bem!

 

Lembrem sempre que, autoestima elevada ajuda nossa imunidade a ficar em alta ( até porque cuidamos mais da alimentação, buscamos nos exercitar, etc).

E, imunidade em alta ajuda a afastar doenças, não é?

 

Bom, antes de encerrar quero contar que, apesar do susto, meu filhote peludo está ótimo! Ele sofreu uma intoxicação depois de detetizarmos a casa ( mesmo depois de tomarmos todos os cuidados). Chegou a vomitar sangue e precisou ficar internado. Foi duro!!!!

Essa bolinha de pêlos roubou meu coração no dia em que o vi pela primeira vez. É um grude comigo e eu com ele. Sempre tive cachorro, desde criança e sempre os amei muito. O Buddy me foi presenteado ( pela Fernanda e pelo Lucas - meus afilhados de casamento) quando descobri o câncer e logo depois de perder meu companheirinho de 17 anos, o Beethoven!

Veio em um momento delicado e me encheu de alegria e de amor.

É o xodó da casa!!!

Deixo vocês com uma foto fofa tirada quando ele já estava se recuperando e logo a seguir, o link do comercial que citei! 

Até semana que vem!

 

https://www.youtube.com/watch?v=e9jOiECidug

 

Please reload

Destaque

Uma outra Perspectiva para a Cura - Parte III

November 4, 2019

1/7
Please reload

Siga, Curta e Compartilhe
  • Facebook ícone social
Ultimos posts

September 23, 2019

July 13, 2019

Please reload