Tédio pelo previlégio? sério?!!!


Duas situações estão me deixando chateada neste momento. A primeira é ver que as pessoas aqui em Curitiba relaxaram e estão nas ruas, e sem máscaras, apesar de todas as recomendações e dos exemplos que chegam de tantos outros lugares, inclusive aqui do Brasil mesmo. A segunda é quando vejo alguém reclamando de tédio por ficar em casa!

Meu Deus, ficar em casa é um privilégio! Vejam os funcionários de supermercados, os médicos, as enfermeiras, os seguranças, policiais, o pessoal que trabalha em padarias e nas farmácias, os porteiros, os motoboys... eles não podem ficar em casa se protegendo. São serviços que não param.





Ficar em casa nesse momento - para quem pode - é ajudar a proteger todos esses que são obrigados a sair de casa diariamente.

Hoje, quando li que uma auxiliar de enfermagem aqui de Curitiba morreu depois de ter sido infectada enquanto trabalhava, minha preocupação aumentou. As ruas da cidade estão cheias, soube que alguns parques também!!!!


(foto ao lado: Anelore Tierling, voluntária que costura almofadas coração para mulheres que fazem mastectomia, agora também produzindo máscaras).





(foto abaixo: Márica Ruy, voluntária dedicada costurando máscaras com muito carinho e dedicação)

​De outro lado, vi a postagem de um amigo que fez um amarelinha no chão de casa para o filho pequeno brincar. É isso! A nossa casa precisa ser muito mais do que um lugar para dormir, comer e assistir filmes e séries. Precisa ser nosso espaço de lazer. Vamos usar a imaginação?​​



(foto abaixo à esquerda: cortes para montagem de kits de máscaras, feitos pela Márcia que pegou emprestada uma máquina de corte. Além de costurar, já cortou 2.400 máscaras).


Penso que, quem está em casa reclamando ( e isso vale pra adolescente, jovem ou adulto) poderia se mobilizar e ajudar outras pessoas. Quem costura pode costurar máscaras para doação. Sabe aquele lençol de algodão velhinho? Que tal transformar em máscaras? Não sabe costurar, mas conhece quem sabe? Isso justifica que você saia de casa ( de máscara e com álcool gel na bolsa).


(foto: Cecília, funcionária do Hospital da Cruz Vermelha recebendo doação de máscaras produzidas pela Márcia Ruy)

Faço parte de uma campanha que vem produzindo máscaras, a convite da Ielsa Tramujas Kafka, amiga e assistente social. Não sei ao certo quantas costureiras estão trabalhando porque temos dois grupos. O que eu organizei já produziu umas 1500 máscaras e outras 4000 pelo grupo que a Ielsa e a Mônica Tramujas organizaram. No total já foram quase 4000 máscaras doadas para hospitais, acompanhantes de pacientes, catadores de reciclados e moradores de rua.

Outras 1200 máscaras estão sendo produzidas e tenho aqui kits para outras 1200 serem produzidas. Você acha que trabalhando, cuidando da casa e da família e atuando nesta campanha, tem espaço pra reclamar que estou em casa?

O dia passa voando e quando deito à noite, estou um prego!


(Foto: Luzia, funcionária do Hospital do Idoso que recebeu 250 máscas de TNT e kits para mais 300)


Você também pode se envolver em uma campanha. Mas antes de qualquer coisa coloque seu ego e orgulho de molho. Pense que irá fazer algo para o próximo!!! A partir daí, pode fazer muita coisa boa! Pode mudar melhorar a vida de alguém!

Por exemplo, que tal enviar mensagens para seus amigos e vizinhos, pedindo que cada um doe ítens para vc montar cestas básicas e entregar para uma instituição, como a Escola Nilsa Tartuce que atende crianças especiais em Curitiba ( vou deixar o pedido deles no fim do post).




(foto abaixo: máscaras produzidas pela Anellore e entregues pela Gladys para o Hospital do Trabalhador)

Todos nós conhecemos pessoas que podem nos ajudar. Eu, mandei mensagem para algumas dizendo que precisava de ​​costureiras, porque eu não sei pregar botão direito. Logo várias responderam. A Gladys Halluch, das Amigas da mama, que também não costura, colocou meu pedido no grupo de associadas. Logo depois, comecei a receber mensagens de mulheres querendo trabalhar na campanha. Algumas não consegui levar material até hoje por causa da distância. Então, vejam, mesmo sem sabermos costurar, eu e a Gladys estamos numa turma de costureiras!!!


Não tem ideia de onde ou como ajudar? Ligue para alguma igreja, eles sempre recebem pedidos e você poderá descobrir um caminho.



(foto: Dona Terezinha, voluntária assídua na produção de máscaras)


Gente, o momento é de solidariedade e muito cuidado. E cada um de nós pode sim fazer algo. Outro dia escutei no rádio que quase 50% das diaristas de Curitiba não estão recebendo o pagamento das pessoas para quem trabalhavam. Pense que muitas são mães e o trabalho delas é a única renda das famílias...essas pessoas precisam comer, pagar aluguéis, etc...






Na semana passada me pediram ajuda para conseguir kits de higiene destinados a pacientes do setor de infectologia de um hospital público aqui de Curitiba ( não posso citar o nome do hospital porque não tenho autorização).

Pacientes desse setor não podem receber visitas neste período de combate ao COVID-19 e acabam ficando sem os ítens de higiene pessoal.


Pedi ao meu marido que falasse com o pessoal do Rotary ​​Champagnat. Poucos dias depois, recebi 30 kits contendo creme dental, escova de dentes, shampoo e sabonete. Corri fazer a entrega no dia seguinte ao feriado de 21 de abril. Olha o capricho desta doação na caixa da foto acima.


Além disso, soube que o sabonete líquido seria melhor. Como precisava sair para levar material para as costureiras, comprei 5L de sabote líquido e embalagens bem baratinhas, mais 10 litros de shampoo, numa casa de cosméticos . A assistente social do hospital fracionou tudo!

Você pode pensar, mas eu não tenho dinheiro!!!



Onde consigo dinheiro? uso meus grupos de whatsapp pra isso! peço para os amigos e conhecidos, também! Sou sim cara de pau quando se trata de pedir algo para outras pessoas (sorry amigos e conhecidos, kkk). Outras vezes, eles ficam sabendo que estou envolvida em alguma campanha e me oferecem ajuda. Depois eu mando as notas de tudo pra comprovar onde o dinheiro foi gasto. Estou explicando como faço para ajudar você a entender como funciona.


E não é necessário muito não! Com R$140,00 deu pra garantir um banho digno aos pacientes internados. Ou seja, 14 pessoas doando R$10,00 e foi possível ajudar pelo mínimo 25 pacientes. Cada frasquinho de 150ml de shampoo custou R$2,55 e de sabonete R$2,05.




Claro, se você está em tratamento contra o câncer, ou faz parte do grupo de risco por outro motivo, não deve sair de casa! mas pode articular, fazer a coisa toda acontecer a partir da sua casa! Não há tédio que resista a uma boa ação, acredite!




Nesta mesma semana, veio mais um pedido de ajuda, desta vez para uma escola que atende crianças especiais e onde muitas famílias estão passando dificuldades por conta do isolamento. Vejam aí o pedido que recebi ( para a escola que citei acima).


"CONTRIBUA COM A CAMPANHA "SOLIDANILZA

A partir do dia 29 de abril, estaremos arrecadando produtos para ajudar as famílias dos alunos e funcionários em situação de vulnerabilidade da Escola Nilza Tartuce.

O QUE PRECISAMOS?

  • Cestas básicas

  • Água sanitária

  • Detergentes de louça

  • Detergentes de roupa

  • Papel higiênico

  • Lenços umedecidos

  • Sabonetes

  • Shampoos

  • Absorventes

  • Fraldas

COMO DOAR?

As doações devem ser entregues na Escola Nilza Tartuce a partir do dia 29/04. Receberemos as doações todas as quartas-feiras, das 13h às 15h.

Endereço: Rua da Glória, 158. Centro Cívico, Curitiba/PR.


DOAÇÃO EM DINHEIRO?

É possível contribuir sem sair de casa! Por meio de depósito na conta da Escola Nilza Tartuce:

Banco do Brasil - Agência 3007-4 / Conta Corrente 217888-5

CNPJ 75.955.286/0001-68

Enviar o comprovante para o email eent@terra.com.br


A CAMPANHA ACONTECERÁ ENTRE OS MESES DE ABRIL, MAIO E JUNHO!"

------------ // -------------


O pouco que a gente faz pode ajudar muita gente! Pense nisso, perceba o privilégio que é ficar em casa e não esqueça que alguém pode precisar de você!






Destaque
Siga, Curta e Compartilhe
  • Facebook ícone social
Ultimos posts

Since 2015 | Todos os textos e imagens foram produzidos por Vanusa Vicelli e/ou Jucienne S R Camilotti, exceto quando sinalizado. | Todos os direito reservados. Proibido divulgação sem autorização.