Sobre o veto ao acesso a medicamentos contra o câncer

Trago, mais uma vez, as sábias palavras da minha grande amiga e jornalista, Cassiana Pizzaia, sobre um tema que merece que você pare tudo agora e leia! este post. Devemos lembrar que o câncer faz sofrer e mata um número enorme de pessoas no Brasil Negar o acesso a medicamentos é um retrocesso. Só este ano, mais de 600 mil pessoas serão diagnosticadas com a doença, fora os tantos já diagnosticados que estão lutando pela vida.

Então, leia e - se possível - compartilhe este texto!



"Vamos esclarecer. Os remédios orais para câncer previstos no projeto vetado pelo presidente não são experimentais. São medicamentos com eficácia definida em pesquisas científicas e que já foram aprovados pela Anvisa. Ou seja, o projeto de lei aprovado por Câmara e Senado por quase unanimidade prevê para esses remédios apenas o mesmo encaminhamento dos demais, inclusive quimio endovenosa.


A maioria dos tratamentos hoje, principalmente os mais novos e com menos efeitos colaterais, são orais. Não ter acesso a eles significa tirar a chance d


e cura, aumento da qualidade ou do tempo de vida das pessoas.


Hoje os medicamentos orais para câncer são uma exceção. Além da avaliação técnica da Anvisa, eles precisam passar por uma análise da ANS, que demora mais de três anos. Isso, ressaltando, para cobertura pelos PLANOS DE SAÚDE.


Não preciso dizer o que significam três anos para quem tem um câncer grave.


Eu passei por isso três vezes. Estou aqui graças a tratamentos e profissionais, médicos, terapeutas complementares, familiares e amigos que não desistiram de mim. Nesses cinco anos, vi muita gente morrer por falta de acesso ao tratamento mais eficaz.



Impedir que a gente tenha um tratamento adequado faz parte de uma política de morte alimentada por um lobby poderoso e a absoluta falta de humanidade.


Vamos torcer e lutar pela derrubada do veto pelo congresso.


E pensar melhor na hora de votar pra presidente". ( texto da jornalista, escritora e documentarista Cassiana Pizzaia, paciente de câncer de ovário).


*Foto: Juliana Gracia


Destaque